Luís Cunha recebe prémio literário….

Já é conhecida a obra vencedora da 11.ª edição do Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca. “Vinte Mil Léguas de Palavras”, de Luís Manuel de Jesus Cunha (pseudónimo Jóice), recebeu a unanimidade do júri.

“A eficácia do mecanismo estrutural adotado, já que todos os contos têm exatamente o mesmo tamanho – mil palavras – e a capacidade de criar desenlaces interessantes para resolver os diferentes enredos”, bem como a “capacidade de criar narrativas de leitura fluída, apesar da linguagem trabalhada e dos distintos ambientes produzidos” foram as fundamentações que levaram o júri a atribuir a Luís Cunha a vitória no concurso. A reunião decisiva do júri da 11ª edição do Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca – constituído pelo crítico literário e jornalista João Morales, pelo autor e vice-presidente da Associação Portuguesa de Escritores, José Correia Tavares, e pela mestre em estudos portugueses e professora, Paula da Graça Rodrigues, teve lugar no dia 20 de setembro.

Ao instituir o Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca, o Município de Santiago do Cacém presta homenagem ao grande escritor santiaguense, figura incontornável da literatura portuguesa, e à sua obra, sobretudo através da forma narrativa do conto, em que o autor revelou toda a sua excelência. E, simultaneamente, contribui para a revelação de novos criadores na nossa língua, que é garante da soberania nacional e elemento essencial do património cultural português. O Prémio distingue uma coletânea de contos originais, escritos em língua portuguesa, por autor maior de idade, natural de qualquer país que integre a comunidade lusófona.

A cerimónia de entrega do Prémio está marcada para o dia 15 de outubro, às 16h00, na Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém.

​NOTA BIOGRÁFICA:

Luís Manuel de Jesus Cunha licenciou-se em Antropologia Social pelo ISCTE, em 1990, e doutorou-se em Antropologia pela Universidade do Minho, em 2003.  É diretor e docente do Departamento de Sociologia do Instituto de Ciências Sociais da UMinho e investigador do CRIA – Centro em Rede de Investigação em Antropologia. Tem orientado a sua investigação para duas temáticas principais e respetivas ramificações. Por um lado, para um conjunto de temáticas que entroncam nos debates sobre identidade nacional, tendo produzido trabalhos sobre temas como os heróis nacionais e as representações da história ou sobre os discursos da lusofonia no passado e no presente. O Estado Novo constitui um período a que prestou particular atenção. A outra temática é a da memória social, e em torno dela tem abordado a fronteira luso-espanhola e tratado temas como a memória do contrabando ou da guerra civil.​​

Categories: Noticias

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *